Feb 28

UMA PISCADA

Acabei de ler frases de um sujeito que tem feito muito sucesso com os livros que escreve. Mas é muito criticado pelos “intelectuais” de botecos… Invejosos de uma figa. O cara é bom e ponto. O nome dele? Malcolm Gladwell, americano. Um dos livros dele que mais me marcou foi “Blink”, em inglês significa piscar. Nesse livro, Malcolm, e outros pesquisadores que andam na mesma direção, garante que em escassos segundos, 30, não mais, ouvindo uma pessoa você pode predizer o futuro dela ou do casamento futuro dessa pessoa, se vai dar certo ou não. Com certeza.

Ele tem toda razão. De fato, em segundos nos revelamos, passamos como que uma radiografia do nosso caráter, tendências, vícios e virtudes, tudo. Mas é aquela coisa, é preciso ter olhos de “perceber” e ouvidos de “escutar”, sensibilidade e talento para “ver” o outro…

Mas não é disso que quero falar. Quero é trazer duas frases do Malcolm, frases que dão o que pensar. Ele garante, e estou junto nessa, que – “Quando temos menos recursos, somos mais criativos”. Bah, vivo dizendo isso. A criatividade é filha da paixão ou da necessidade. Uma pessoa monta um negócio, cria um produto, o que for, ou por paixão por esse negócio ou produto ou então por pressão, necessidade, sobrevivência.

Uma pessoa bem-nascida (o que será mesmo isso?) mais das vezes se acomoda, herda, não estuda, não precisa suar; vê a vida passar vazia, sem emoções nem conquistas. Para quê, se tudo lhe cai aos pés?

E a outra frase é irmã gêmea da primeira: – “As pessoas precisam ter um pouco de dificuldade na vida, senão se acomodam. É bom ter problemas”. Mas que fique claro, só os inteligentes sabem disso, os demais, a maioria, geme, se queixa, aponta o dedo acusador, cria culpados, escamoteia e passa, tenta passar, por vítima.

Esse “pepino” que o está incomodando, leitor, leitora, pode ser a semente de uma grande vitória, de uma vida futura muito feliz para você. Vai depender de como você descascará o pepino…

Ah, e quanto aquele caso amoroso, se uma única dúvida lhe passar pela cabeça, não duvide: você está certo, certa. Caia fora… Basta um bom piscar de olhos, um “blink”, para a verdade nos fazer ver a verdade…

ELAS
História da revista Nova. Ela, gerente de banco na Guatemala, bem de vida. Ele negociador de uma multinacional brasileira. Conheceram-se, juntaram-se e se casaram. Passado um tempinho, casados na Guatemala, ele sentiu saudades da família dele, no Rio de Janeiro. Final da história? Ela largou tudo e veio com ele morar no Brasil. Sem trabalho, sem conhecer ninguém, nada. Ora, faça-me o favor! Mas elas são assim, fazem dessas tolices, depois choram sozinhas e afundam-se nos ansiolíticos. Isso quando o tal “amor” não acaba num sonoro abandono. Você conhece bem o roteiro dessas histórias burras, leitora, ah, se conhece! Sempre elas correndo atrás…

FUTURO
Eduquemos as guriazinhas enquanto é cedo. Ouça esta, papai e mamãe: – “Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria faz-nos saber que apenas 28% das mulheres poupam dinheiro para a aposentadoria”. Coitadas. O diacho é que a maioria pensa que vai ter futuro garantido casando. Insanas, vão é se encrencar feio, isso sim.

FALTA DIZER
Semana passada, a Anita, aquela, a linda, a cantora, foi a um casamento de uma atriz da Globo e usou um vestido comprado nas Lojas Riachuelo por 78,00. Foi um bafafá das invejosas, o vestido estava na vitrina, em oferta. Tolas invejosas, o que vale é o que está “dentro” do vestido, e no caso da Anita, bah, não tem preço…


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 27

POR ONDE ELE ANDARÁ?

Acabei de guardar a tesoura, mais uma vez a colunista Débora Bombilio me fez recortar uma de suas frases publicadas. A frase encerra uma poderosa verdade, ao menos para mim. Não sei onde a Débora achou a frase, mas é uma daquelas pepitas do pensamento.

A frase diz assim: – “Se te apaixonas por um corpo tem solução, mas se te apaixonas por uma mente, estás perdido”. Talvez essa frase passe batida por muitas pessoas mas ela remete-nos aos grandes amores.

Sempre acreditei que os amores que se estabelecem a partir do corpo de uma pessoa, de sua beleza, de seus artifícios físicos, não duram. Não raro, ficamos embevecidos com a figura de alguém, perdemos o jeito, o sono, a quietude, tudo pela fascinação gerada pela beleza. Mas desse encantamento singelo pela beleza do outro, dele ou dela, não costuma resultar um amor resistente ao tempo, longevo.

É bem diferente quando o encantamento surge de uma descoberta que transcendente às belezas do corpo físico dele ou dela. Essa descoberta pode ser de um talento que se expresse inesperadamente para nós nas ações e no brilho da outra pessoa. Gostar da Lady Gaga, como gosto, transcende a beleza física dela. É por algo que ela “é”, e secundariamente pelo lado de fora dela, ainda que bonita.

O exemplo mais remoto que me ocorre é o de uma festinha de aniversário no pátio da casa de uns amigos. Faz tempo. A festinha era noturna e se arrastava, havia já uma sonolência em todos, sem mais ter o que dizer. A música tocava num canto e crianças olhando para o nada…

Até que começa a tocar uma certa música e alguém diz que a Soninha sabia dublar aquela música como ninguém. Soninha era uma jovem magrinha, tímida, que usava um vestido com bolinhas em preto e branco. Ela passou sentada à minha frente e eu nada reparava nela senão o nada que ela me representava… Insistiram com ela para ela dublar a música, e ela fazia sinais de não. Muita insistência. E ela nada. Tanto insistiram que ela pegou uma pequena garrafa de Coca-Cola vazia e fazendo-a de microfone, cantou. Cantou e dançou. Santo Deus. Pulei na cadeira. Fiquei grudado na Soninha, paixão fulminante, na hora.

Até o momento em que ela começou a cantar, Soninha era um nada para mim, um corpinho apenas. Mas quando, cantando, revelou um jeitinho e um talento que eu não suspeitava, fiquei louco por ela. Nunca mais a vi. A paixão por ela não me veio do corpo dela, mas da “alma” dela. É assim que vejo os amores. Os melhores. Eles têm que se acorrentarem pelas mentes, não pelos corpos.

RIQUEZA
Conversa imaginada. Um amigo me diz que não tem sorte em jogos, que vai morrer pobre. Digo a ele que só se ele quiser ou aceitar essa “sorte”. Há um modo seguro de uma pessoa pobre ficar “rica”. É esmerar-se numa continuada qualificação e aperfeiçoamento no trabalho, é acreditar que água benta produz milagres, água benta da testa, o suor. A exemplo dos atletas olímpicos, não conhecemos os nossos limites, melhor é crê-los ilimitados. Estaremos mais perto do pote da felicidade.

PECADO
O maior desrespeito que fizeram a mim? Levar-me, pequenino e indefeso, para dentro de uma igreja, desrespeitado a minha liberdade. Deram-me, por essa ação estúpida, todos os medos metafísicos que tenho hoje. Imperdoável falta de respeito a uma criança.

FALTA DIZER
Frase da personagem Suzana na novela Boogie Oogie: – “Mulher doce e romântica acaba levando um pontapé no traseiro”. Irretocável. Elas que se toquem.


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 25

ESCADA SOCIAL (25/02/2015) – COMENTÁRIO NO SBT MEIO DIA


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 25

LUTAR OU MUDAR A CABEÇA

Elas estão na moda. A depressão e a ansiedade. Sim, sei bem, Adão e Eva já sofriam de depressão e ansiedade, sei disso, tão velhas que são. Ocorre que há quem confunda ansiedade com medo. Medo é objetivo: tenho de cachorro, por exemplo. Diante desse medo, tenho duas saídas: partir para cima do cachorro ou dele fugir. Não há terceira hipótese. É diferente com a ansiedade. Acabei de ler um artigo na revista Caras e não gostei do que li.

Li o seguinte, escrito por um médico: – “Nada mais natural do que a pessoa se sentir ansiosa às vésperas do primeiro dia de emprego, de uma cirurgia, de fechar um negócio ou até de uma viagem”. Discordo. Nesse caso, o que a pessoa está sentido é medo. Se a pessoa tiver certeza de que vai passar no Vestibular, não ficará ansiosa, se tiver certeza de que vai dar tudo certo na cirurgia, nem vai piscar os olhos. E assim por diante.

A ansiedade vem dos porões da mente, ela não nos chega sem máscaras à consciência. A ansiedade, sim, também é medo, medo, todavia, de algo que não sabemos o que é, não conseguimos atinar. Tudo nos vai bem, ou aparentemente bem, mas a sensação é a de uma pedra sobre o peito nos oprimindo a respiração.

É preciso saber disso no diagnóstico diferencial, de outro modo o médico pode receitar remédios para quem deles não precisa. A ansiedade verdadeira só pode ser diminuída num processo de terapia psicanalítica, quando muitas de nossas máscaras de defesa caem e nos fazem dar de cara com verdades incômodas…

As pessoa “desavisadas” confundem ansiedade com um sentimento de pressa, de urgência, diante de algo bom que estão a esperar. Não é essa a ansiedade legítima e ruinosa à saúde. Confira com cuidado, você está com medo, e por isso insegura, ou está com “medo” de algo que não lhe parece claro na mente? Se for isso, não adianta tentar fugir ou medicar-se, a ansiedade vai continuar, ela é um sinal de uma inquietação inconsciente, um “medo” de algo que até agora se nos afigura vago, impreciso. Tomar remédio para a ansiedade é tentar tapar o sol com uma peneira… Não tome remédio, descubra suas “verdades”. Lutar ou mudar a cabeça, os melhores remédios.

PALAVRAS
Cansado de ler, fui fazer palavras cruzadas. Acabei irritado. Apareceu a seguinte questão: Veste de Gestante – com quatro letras. A resposta era “bata”. Só se for na gravidez da Kate Middelton, em Londres. Por aqui, as mulheres barrigudas andam com o umbigo de fora ou esticado numa roupa justa, curta e ridícula, isso quando não mostrando a barriga pelada, nua. Um horror. Mas elas se acham. Que despudor. Bata usam as elegantes. O mais é com as fuleiras deslumbradas do sexo que fizeram com o bermudão. Fuleiras, isso sim.

TATUAGEM
Vi num programa policial de televisão de São Paulo. Um vagabundo na delegacia. A folha corrida dele tinha o tamanho do Metrô, um safado nato e hereditário, bandidão. Estava sem camisa e virado para a parede. Sabes o que estava tatuado nas costas dele? Jesus. É o que vivo dizendo, os ateus não matam, não roubam, não vivem fora da lei, os ateus. Já os que se dizem crentes…

FALTA DIZER
Sempre gostei dela. Sempre vi por trás das pinturas no rosto uma bela mulher. Gosto é gosto. Ah, mas depois de vê-la cantando a Noviça Rebelde na festa do Oscar, com aqueles cabelos, com aquele vestido, com aquela graça… Santo Deus, subi pela parede da sala… A arte tem disso: sempre mais e encantadoras surpresas.


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 24

VIGARISTAS (24/02/2015) – COMENTÁRIO NO SBT MEIO DIA


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 23

JUSTIFICAR-SE CIDADÃO


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 19

REALIDADE (19/02/2015) – COMENTÁRIO NO SBT MEIO DIA


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 19

FALTA ESPELHO

Veja se você está nessa, leitora! Nem vou perguntar ao leitor, era só o que faltava. Não o posso imaginar dizendo que sim, que está nessa…

A pergunta que vou fazer à leitora resulta de um universo de 63% de mulheres brasileiras que, segundo pesquisas, dizem estar loucas para fazer uma cirurgia plástica, a maioria dessas diz ainda que se a operação fosse de graça, a fariam amanhã.

Tem cabimento? Tem. Claro que tem. Os americanos, dia destes, fizeram-nos saber, também por pesquisas, que 94% das mulheres não se gostam ao se olhar no espelho… E as 6% seriam loucas? Ou cegas? Por que 6% se aceitam, se acham normais ou até bonitas? Essas é que têm que ser estudadas. Mas, enfim, que o mundo enlouqueceu todos sabem.

Mas o que me traz a esta conversa mole, leitora, leitor, é o que andei lendo dia destes sobre a Anita. Sim, Anita, a cantora. Eu a acho uma lindeza, lindinha, magnífica como cantora e dançarina. Pago o que for para vê-la num show. Ponto. E acho bom.

Pois não é que algumas mulheres, claro, que foram elas, andaram destacando nos sites, nessas odiosas redes sociais, que a Anita tem muita celulite. Fotografaram as pernas dela para “provar” o que diziam. Ah, vão se olhar num espelho feiosas sem talento, frustradas, mulherzinhas perdedoras. E se tiver algum homem na parada, não é homem, é machinho impotente, raivoso e fracassado. Ora bolas, olhar para a Anita e procurar por “defeitos” físicos. Desde quando uma celulite, se for o caso, é defeito? Ah, vão para baixo da cama, frustrados!

Mas voltando às pesquisas, brasileiras de norte a sul querem implantes nos seios e nas nádegas, 54% das pesquisadas. Coitadas. Mas será que fazem isso para si mesmas ou fazem para agradar os bermudões? E esses, ah, esses precisariam de uma cirurgia especial, para “funcionarem” como Homens de verdade… E a coluna que acabei de ler tinha por título: “Nem toda brasileira é bunda”. Levante o dedo as que estão fora da jogada! Humm…

ZICO
Frase do Zico, dia destes no Estadão: – “Eu não vejo mais jogadores treinando além do horário”. O Zico fazia isso, sei bem, década de 70, eu cobria treinos e narrava jogos do Campeonato Nacional. Zico se exauria depois dos treinamentos, por conta própria, para melhorar os impulsos no cabeceio e as cobranças de falta na frente da grande área. Um exemplo. Não existem mais esses exemplos, hoje é cumprir contrato e enganar os diretores pamonhas e os trouxas torcedores. Regra absolutamente geral. Não vale dar exemplos de futebol de várzea…

“LOUCOS”
São raríssimos os profissionais que estudam “todos os dias” algo de novo em suas atividades. São mais raros ainda os que “aproveitam” o fim de semana para buscar qualificação, estudar, pesquisar e voltar na 2ª feira com mais capacidades e aptidões. Só os “loucos” do ânimo e dos sonhos fazem isso. Você conhece algum? Duvido. Mas são esses os que fazem diferença em todas as áreas.

FALTA DIZER
Há quem garanta que emprestar dinheiro para amigos ou familiares, mais que tudo, familiares, é pessoa do tipo que também acredita em Papai Noel. Bem melhor é doar, dar o dinheiro e não esperá-lo de volta. Dinheiro emprestado é como livro, uma vez emprestado, nunca mais. – Ah, mas é gente da minha família… Só se o sujeito estiver no hospital, na UTI e precisando de remédios da Dinamarca. Fora disso, que o pedinte vá se coçar num cactus…


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 18

QUARESMA (18/02/2015) – COMENTÁRIO NO SBT MEIO DIA


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Feb 18

MODERNOS OU GROSSOS?

Era domingo, acabara de ler a Folha e fiquei pensando sobre uma reportagem que me veio reforçar o que de há muito já sei e de trato em muitas de minhas palestras. Falo de o dinheiro ser mais importante que o sexo no casamento. Muito mais. Nada se compara à força “energética” do dinheiro numa relação entre marido e mulher ou entre simples amantes, que é hoje o que mais há “nas boas famílias. Sem-vergonhice, isso sim.

A Folha trazia esta manchete numa reportagem: – “Economia influencia casamentos nos Estados Unidos”. No subtítulo, lia-se: – “Além da mudança no papel da mulher, incertezas econômicas levam à queda do número de matrimônios no país”. Penso que não é preciso dizer muito mais, o dinheiro definitivamente está puxando o freio dos casamentos. E bato palmas, afinal, um sem-nada casando com uma sem-nada o resultado vai ser uma formidável miséria. E sem essa de que o amor é tudo, um equívoco nunca pode ser tudo.

Acabei de ler o jornal e fui jantar, em Balneário Camboriú, onde passei alguns dias de folga. À mesa ao lado da minha sentou-se um “casal”, ele e ela já maduros, não serviam para jovens. Dois tipos. Beijinhos na ponta do nariz, sorrisinhos encantados de um para o outro, aquelas coisas que deixam as pessoas ridículas em público. Fiquei mais de olho no casal de enamorados que no meu próprio prato. E não perdi o meu tempo.

Terminado o jantar do casal de enamorados, pediram a conta. E foi aí que o queixo me caiu, ele pediu pelo “cartão” dela, ia usá-lo junto com o dele para dividirem as despesas… Digam o que quiseram, mas no meu galpão homem paga a conta, cavalheiro é gentil, puxa a cadeira para a mulher e se não tiver dinheiro fica em casa. Não quero chamar o tal sujeito de “nomes”, chamo-o de vacilão. Mas aí me disseram que hoje é assim, sem essa de o homem bancar o “trouxa” e pagar a conta da namorada, da amante e até, não raro, da própria mulher. Ah, mas as que aceitam isso merecem os vacilões, para não dizer pobretões, folgados, e tudo de pior. Ponto. E acho bom.

TEMPO
Já disse aqui que quem tem olhos de perceber, que é mais do que ver, e ouvidos de escutar, que é mais do que ouvir, vai ter muitas dificuldades para fazer negócios ou casar. É que uma pessoa com os sentidos atentos vê as falhas na personalidade do outro e isso a vai segurar nos ímpetos para negociar ou mesmo para casar. Mas esse é o melhor método de evitar no casamento formidáveis arrependimentos. Antes do casamento é preciso um bom e longo tempo de namoro, isto é, o tempo do aquecimento e das descobertas para um “contrato” que deve ser para sempre… Qual nada, eles se conhecem na balada e já saem direto para o “agarra tudo”. Dá nisso que anda por aí, falta de educação, de vergonha na cara e multiplicação das separações.

SINTOMAS
Que não sejam bobos os que andaram de foliões no Carnaval e que fizeram “coisas que sempre souberam arriscadas… Conselho de amigo: no primeiro sintoma suspeito, estranho, na área genital ou correlata, ir ao médico imediatamente. O HIV, da Aids, andam galopando no Brasil, e assim o HPV e todas as asquerosas patologias semelhantes.

FALTA DIZER
Para os estultos da vida, felicidade agora só no ano que vem, para este ano deu… O carnaval acabou. Muitos são “felizes” apenas com datas marcadas. Coitados.


COMPARTILHE NO SEU PERFIL
facebooktwitter
SIGA O PRATES NAS REDES SOCIAIS
facebooktwitteryoutubeinstagram

Older posts «